quarta-feira, 30 de junho de 2010

O VALOR DA PROMESSA

Um Escuta, após ter feito a sua Promessa, assume um papel especial na Sociedade em que está inserido, porque lhe são imputados deveres para com Deus, de quem é filho, a Igreja, que lhe indica o caminho para o Pai, e a Pátria, como consta do artigo 2º. dos Princípios... mas estes deveres não são "nucleares" para todos os cidadãos, pois os não Escuteiros não estão marcados com o sinal indelével consubstanciado na Lei, Princípios e Promessa!
"PROMETO POR MINHA HONRA E COM A GRAÇA DE DEUS FAZER TODO O POSSÍVEL POR CUMPRIR OS MEUS DEVERES PARA COM DEUS E A PÁTRIA, AUXILIAR OS MEUS SEMELHANTES EM TODAS AS CIRCUNSTÂNCIAS, OBEDECER À LEI DO ESCUTA!".
É, sem dúvida, a pedra de toque para uma vida plena... e não deixa de ser curioso que ninguém tenha feito qualquer observação para o facto de a Promessa não imputar a quem a profere o ferrete da "obrigação" de cumprir em qualquer circunstância, porque no Escutismo não existe a obrigação de nada! O Escuta faz as coisas seguindo à risca a divisa do Lobito: - Faz tudo "DA MELHOR VONTADE" e procura sempre "SER MELHOR...MELHOR...MELHOR", como é alvitrado no Grande Uivo.
Tive um Assistente que afirmava ter a Promessa Escutista o mesmo significado do Sacramento da Ordem, pois enquanto este Sacramento lhe imprimiu as "marcas indeléveis" que Cristo lhe veio atribuir, para o tornar membro do Povo Sacerdotal para o resto da sua vida, também ao fazer a Promessa se tornou Escuteiro para toda a vida, razão porque entendia bem o significado da expressão "ESCUTEIRO UM DIA... ESCUTEIRO TODA A VIDA!".
E não deixa de ser importante o facto de serem comuns em todo o mundo a Lei, a Promessa e os Princípios, tal como o é a "Bíblia" escutista que é o ESCUTISMO PARA RAPAZES, verdadeiro "Vade-mecum" do Movimento de Baden-Powell. As Palestras de Bivaque nº. 2 e 3 sempre foram consideradas, por mim, palestras vitais para a formação de um bom Escuta... e aí podemos reflectir até no que a Promessa significa para nós, Escuteiros. Basta atentar nesta passagem: ..."O chefe pergunta, então: - 'Sabes o que é a tua honra?'
O aspirante: - 'Sei, sim: quer dizer, que se pode confiar que sou verdadeiro e honesto.
- Conheces a Lei do Escuteiro?
- Conheço, sim!"
Que bom seria todos conhecerem as leis que os regem! Talvez o mundo fosse um pouco melhor, como era desejo do Fundador... e o será de cada um daqueles que um dia fizeram a sua Promessa: "PROMETO..."
Boa Caça
Lobo Esfaimado

terça-feira, 1 de junho de 2010

dia mundial DA CRIANÇA!

O Dia Mundial da Criança começou a comemorar-se em 1950. Ao contrário do que muita gente pensará, o Dia Mundial da Criança não é uma festa que tenha as crianças como figura central, pois é muito mais do que isso, bastando que se esteja atento àquilo que se passa no mundo para se perceber a necessidade deste dia em que devemos proporcionar à criança toda a felicidade do mundo. Talvez a sociedade possa estender este dia por 365 dias... e então sim! Deixamos de ter de "comemorar" um dia das crianças, porque teremos o ano todo a ser-lhes dedicado. Foi em 1945, apenas terminada a 2ª Guerra Mundial, que tudo começou. Houve muitos países da Europa, do Médio Oriente e a China que entraram em crise, por falta de condições de vida.
Este é um dia em que devemos pensar nas milhares de crianças que continuam a sofrer maus tratos, contraem doenças, têm fome ou sofrem discriminações (ser-se discriminação significa que se é postode lado... por ser diferente).
As crianças desses países viviam bastante mal por falta de comida, mas os pais estavam mais preocupados com o poderem voltar à sua vida normal do que com a educação dos filhos. Algumas dessas crianças nem pais tinham, pois eram órfãs da guerra!
Por falta de dinheiro, muitos pais tiravam os filhos da escola e colocavam-nos a trabalhar, por vezes durante horas a fio e em trabalhos muito duros. Foi então que em 1946 se reuniu um grupo de países da ONU (Organização das Nações Unidas) para começarem a tentar resolver este problema, nascendo assim a UNICEF.Mas era difícil estar-se a trabalhar para as crianças, pois nem todos os países do mundo mostravam interesse no cumprimento dos direitos da criança.
Em 1950, a Federação Democrática Internacional das Mulheres propôs às Nações Unidas a criação de um dia que fosse dedicado às crianças de todo o mundo. E este dia começou a ser comemorado, pela primeira vez, logo no dia 1 de Junho desse ano, tendo os estados-membros das Nações Unidas reconhecido às crianças, independentemente da raça, cor, sexo, religião e origem nacional ou social o direito a:- afecto, amor e compreensão;- alimentação adequada;- cuidados médicos;- educação gratuita;- protecção contra todas as formas de exploração;- crescer num clima de Paz e Fraternidade universais.
Só nove anos depois, em 1959, estes direitos das crianças foram passados ao papel, mas no dia 20 de Novembro desse mesmo ano algumas dezenas dos países, que fazem parte da ONU, aprovaram a DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA.