sexta-feira, 18 de setembro de 2009

BADEN-POWELL E O CHIFRE DE KUDU

O Chifre de Kudu e os Matabeles O kudu é um dos maiores e belos antilopes da ÁFrica. Ele é também a origem de uma obscura tradição no Escutismo: por todo o mundo, os elegantes chifres espiralados do kudu, ôcos, são usados como um instrumento de sopro, uma corneta, por exemplo, para se fazerem as chamadas nos acampamentos escutistas ou nos cursos de formação de escuteiros.
Em 1890, Baden-Powell lutou na Campanha dos Matabele, onde hoje se situa o Zimbabwe. Os guerreiros Matabele tinham um método único de sinalização militar, usando uma nota profunda emitida com auxílio de um chifre de kudu para enviar sinais codificados a longas distâncias. No final da campanha, B.P. levou um desses chifres para casa, como um troféu - o chifre tinha pertencido ao Chefe Matabele Siginyamatshe.
No acampamento da Ilha de Brownsea, em 1907, os primeiros Escuteiros eram despertados, todas as manhãs, pelo som do chifre de kudu que Baden-Powell resolvera levar para o campo, tal como fizera com alguns dos seus outros trofeus militares favoritos, porque pretendia com eles inspirar os rapazes acampados.

O Fundador era um verdadeiro mestre na arte de contar histórias, pelo que não perdia nenhuma chance de contar os feitos pelos quais ele se tornara famoso.
Foi o Acampamento de Brownsea que marcou o nascimento do Movimento Escutista. Mais tarde Baden-Powell ofereceu o seu chifre de kudu ao novo chefe de campo de Gilwell Park, que se situa nos arredores de Londres e é o santuário da formação de Chefes Escutas por excelência .
Em 1929, no 21º aniversário do Escutismo, foi realizado o Jamboree Mundial em Arrowe Park (Inglaterra). Baden-Powell usou o mesmo chifre de kudu para fazer a chamada de todos os participantes desse Jamboree.
Seguindo uma tradição que remonta há 90 anos, as patrulhas são chamadas a reunir com o toque tradicional do chifre de kudu, durante os cursos da Insígnia de Madeira.
O kudu (Tregelaphus strepsiceros) é uma espécie de antílope cujo habitat vai desde a África do Sul á Etiópia. Um touro Kudu pode chegar a uma altura de 1,5 metros e tem uma coloração que vai de um cinzento avermelhado até quase azul. As suas características de visão aguçada, bom sentido de audição, olfacto apurado e grande velocidade fazem dele um animal difícil de capturar.
Pode parecer estranho que o chifre de um antílope africano, do tipo usado pelos Matabeles como clarim de guerra no século XIX, seja usado para chamar Escuteiros e Chefes por esse mundo fora. John Thurman, grande nome do Escutismo britânico, conta como BP conheceu o chifre de kudu:

"Como coronel em África, em 1896, Baden-Powell comandou uma coluna militar na Campanha Matabele. Foi num raid pelo rio Shangani abaixo que ele primeiro ouviu o som do chifre de kudu. Ele andava confundido pela rapidez com que os alarmes eram espalhados entre os Matabeles, até que um dia se apercebeu que eles usavam o chifre de kudu, o qual tinha uma grande potência sonora. Era usado um código. Assim que o inimigo era avistado, o alarme era tocado no kudu, para todos os lados, e assim transmitido por muitas milhas em pouco tempo."