segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

São Nuno de Santa Maria


D. Nuno Álvares Pereira (O. Carm.), também conhecido como o Santo Condestável, Beato Nuno de Santa Maria, ou simplesmente Nun'Álvares,nasceu em Cernache do Bonjardim em 24 de Junho de 1360 e faleceu no Convento do Carmo no dia 01 de Novembro de 1431. Foi um general português do Século XIV que desempenhou um papel fundamental na crise de 1383-1385, onde Portugal jogou a sua independência contra Castela. D. Nuno Álvares Pereira foi também 2.º conde de Arraiolos, 7º. conde de Barcelos e 3º. conde de Ourém.
Beato Nuno de Santa Maria é sinónimo de humanidade, fraternidade, verdade, humildade e dignidade. O seu exemplo representa a vitória do Bem sobre o Mal. É referência universal que terá levado o Papa Bento XV a declarar que servia de modelo aos militares que combatiam na I guerra mundial.
D. Duarte, sete anos após a morte de D. Nuno, em 1431, solicitou ao Papa a canonização do Condestável evocando o exemplo de bondade e devoção aos pobres. A fama de milagreiro do Santo Condestável era grande conforme as “Chronicas dos Carmelitas” que referem terem-lhe sido atribuídas 21 curas de cegueira, 21 de surdez, 24 de paralisia e 18 de doenças internas.
Uma cura actual, alegadamente milagrosa, de uma vista queimada com azeite a ferver, parece ter sido a peça que faltava para a conclusão da canonização do Beato Nuno de Santa Maria. É mais que possível que, no dia 26 de Abril, a Igreja Universal tenha mais um Santo: São Nuno de Santa Maria, que desde há muito é conhecido e venerado em Portugal, e é também invocado além fronteiras, como em breve apontamento, se poderá referir:
- No reinado de Isabel “a católica” teve início em Espanha o culto a São Frei Nuno de Santa Maria, sendo frequente a sua invocação nas missas celebradas na corte.
- No reinado de Joana “a louca”, em 1512, primeira rainha da Espanha unificada, a devoção a Beato Nuno tornou-se mais forte. Esta rainha veio a Lisboa, em peregrinação ao convento do Carmo, para trasladar os restos mortais de D. Nuno para um mausoléu de alabastro que tinha mandado esculpir em Florença.
- No séc. XX São Escrivã de Balaguer afirmou em sermão “abençoado seja D. Nuno de Santa Maria e a batalha de Aljubarrota que deu à Virgem dois braços, Portugal e Espanha, com os quais abraçou e evangelizou o mundo”.
- Em Portugal e Espanha o Beato Nuno foi imortalizado em arte sucedendo o mesmo em Itália, Holanda e Alemanha, em quadros, registos e santinhos que são prova documental da dimensão europeia da devoção a D. Nuno.
- O culto ao Beato Nuno surgiu na Itália em meados do séc. XV conforme o Calendário Carmelitano, composto entre 1456 e 1478, da biblioteca de Parma. As igrejas de Santa Inês e de Nossa Senhora do Carmo também apresentam provas do culto ao mesmo beato em Itália, como testemunha o óleo “La vestizione del Beato Nónio Álvares Pereira, notabile de Portogallo” do mestre Cresti Dominico IL Passignamo.
O túmulo de Nuno Álvares Pereira foi destruído no Terramoto de 1755. O seu epitáfio era: "Aqui jaz o famoso Nuno, o Condestável, fundador da Casa de Bragança, excelente general, beato monge, que durante a sua vida na terra tão ardentemente desejou o Reino dos Céus depois da morte, e mereceu a eterna companhia dos Santos. As suas honras terrenas foram incontáveis, mas voltou-lhes as costas. Foi um grande Príncipe, mas fez-se humilde monge. Fundou, construiu e dedicou esta igreja onde descansa o seu corpo."
A Igreja Universal e Portugal vão ter um novo Santo, que estará sempre atento às invocações que lhe sejam dirigidas através da oração, tal como sempre esteve atento às necessidades mais prementes do Povo Português.
São Nuno de Santa Maria, rogai por nós!

sábado, 14 de fevereiro de 2009

KANDERSTEG - Suiça

Centro Escutista Internacional de Kandersteg - Este Centro, pertence à Organização Mundial do Movimento Escutista e resultou de um sonho de Baden-Powell, logo após o 1º Jamboree Mundial: "que bom seria se pudesse existir um local onde os Escuteiros de todo o mundo se pudessem encontrar".
É um sonho que BP realiza em 1923, com a inauguração do Centro Internacional de Kandersteg, aproveitando um chalet que tinha sido utilizado pelos trabalhadores que abriram o túnel do caminho de ferro nos alpes Suiços.
Como é possível realizar-se um projecto para trabalho de campo no Centro Internacional de Kandersteg? É bastante simples: - Um grupo de escuteiros propõe-se "passar" uma semana em Kandersteg e aí contribuirá, no Centro, com 3 ou 4 dias de trabalho, aproveitando os restantes dias da semana para fazer outras actividades.
À partida terão desde logo a alimentação e o alojamento garantidos pelo Centro.
O custo final da actividade ficará sempre condicionado ao tipo de deslocação utilizado para ir para o Centro.
As "Work Parties" encontram-se abertas a todos os Escuteiros ou Guias que estejam dispostos a trabalhar no Centro. Para serem aceites, devem ter mais de 18 anos de idade, feitos até ao dia de início do trabalho - esta exigência tem em conta que os trabalhos podem exigir o uso de máquinas e equipamentos cujas regras de manuseamento e segurança exigem ter maioridade.
Como funcionam? É simples: - Um grupo de escuteiros desloca-se até ao Centro numa época baixa (Primavera ou Outono) e ajuda em projectos e manutenção do Centro e dos terrenos envolventes;
Esses escuteiros vêm por uma semana, oferecendo 3 ou 4 dias de trabalho ao Centro e ficando com os restantes dias livres para disfrutarem de caminhadas, jogos ou actividades de montanha;
Os gastos são os que se tenham com a viagem de deslocação para o Centro. Em Kandersteg, a alimentação e o alojamento são uma responsabilidade do Centro.
Cada "Work Party" é planeada de forma específica, com requisitos específicos combinados.
Há Associações Nacionais que promovem todos os anos Work Parties, como a Dutch Work Party (DWP), que acontece 2 vezes por ano, todos os anos , ininterruptamente desde 1985. Têm sido responsáveis por muito daquilo que se pode hoje disfrutar no Centro.
A International Work Party (IWP) nasceu de uma iniciativa de ex-membros do Staff de Kandersteg e é aberta aos antigos membros do staff ou visitantes. Foi esta a forma de satisfazerem o desejo de voltarem a estar envolvidos com o Centro, para aqueles que não podem dispôr de 3 meses para lá trabalharem como "staff". Acontece anualmente, durante uma semana de Primavera ou Outono.
"Pode ser um trabalho duro, mas é sempre bastante divertido!" - confidencia-nos quem já viveu a experiência.
E podem acreditar que, quem algum dia fez a experiência de uma Work Party em Kanderteg, volta sempre, pois sabe que deixou naquele Centro um forte contributo.
Todas as informações através do site de Kandersteg (
www.kisc-iwp.info), ou por contacto escrito ou telefónico com o Centro de Kandersteg.