sábado, 27 de dezembro de 2008

"CHEGOU A HORA DO ADEUS..."

Cada ano que passa, quando chega o dia 31 de Dezembro, faz-nos renascer a esperança de que o ano que está a chegar irá ser diferente, feliz, de realizações em todos os campos, porque somos pessoas que cultivam a esperança e acreditam que tudo pode mudar para melhor, com a graça de Deus.
No Escutismo aprendemos a confiar no Divino Chefe, que quer para nós actividades de vida cada vez mais preenchidas, mais felizes e conseguidas. Ele traça a nossa pista a caminho do Pai, dando-nos incentivos de Paz, de Fraternidade, de Solidariedade, pois é neste período que somos despertados para a partilha daquilo que temos com aqueles que nada têm. E basta tão pouco, para que outros possam ser felizes: UM SORRISO BASTARÁ, por muito incrível que possa parecer, pois é um sinal de esperança que damos aos mais desfavorecidos, àqueles que esperam em nós, Escuteiros, porque sabem que podem contar com aquilo que DA MELHOR VONTADE os LOBITOS lhes poderão proporcionar, além de que os mais crescidos estarão SEMPRE ALERTA PARA SERVIR... Deus, a Pátria e o Próximo. E onde está o nosso próximo?
O dia 01 de Janeiro é o dia de Nossa Senhora Mãe de Deus, Rainha da Paz, comulativamente com o Dia Mundial da Paz.
Para o Escuteiro todos os dias são de Paz, todos os dias são de Nossa Senhora, excelsa Mãe dos Escutas e dos Homens de boa vontade. Assim, vamos pedir à Virgem Mãe do Céu que nos dê um ano de 2009 pleno de felicidades para toda a humanidade, nos dê a Sua Graça Divina e conceda a saúde necessária a todos os que dela carecem.
A todos os Escuteiros se deseja, de todo o coração,
UM ANO NOVO DE PAZ, SAÚDE E ÊXITOS NA VIDA PESSOAL DE CADA UM.
BOA CAÇA, IRMÃOS!!!

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

NATAL DE JESUS


É tempo de Natal! Tempo de fraterna união entre os homens de boa vontade... tempo de consumismo, de partilha, de egoísmo e esquecimento de tantos sem abrigo, que repetem no seu dia-a-dia a humildade do presépio de Jesus, o nosso Irmão e Chefe Divino, que quiz nascer numa gruta de recolha de animais, sendo deitado numa manjedoura com palhas a servir de colchão e o bafo de uma vaquinha e de um burrinho como aquecimento!
Os Escuteiros devem, nesta data festiva, mostrar que a Boa Acção não é palavra vã, que a fraternidade, que irmana todos os Escuteiros, também se estende aos que são o nosso próximo! É nesse espírito que devemos partilhar um pouco do nosso calor humano com aqueles que dele carecem, que devemos mostrar que a solidariedade faz parte do nosso léxico, que todos nos doamos " sem esperar outra recompensa senão saber que fazemos a Vossa Vontade Santa!", como dizemos na Oração do Escuta!
O Natal não é apenas mais uma festa, onde podemos comer guloseimas, beber licores finos, receber umas prendas dos familiares e amigos... porque o Natal é a Festa da Família, é a vinda de Jesus, que veio ao mundo para que a humanidade se pudesse libertar do pecado dos nossos primeiros pais. Natal é uma festa em que o coração de todos os homens deverá ser tão grande que nele caibam todos os nossos amigos, mas também aqueles que mais necessitam de sentir que também podem ter o seu Natal, porque Cristo também nasceu para eles!
Imbuídos desse espírito, que possamos ter uma Natal pleno das graças de Deus, com paz, amor e muita saúde! Só assim poderemos dizer:
FELIZ NATAL... BOAS FESTAS... FELIZ ANO NOVO! QUE O ESPÍRITO DE DEUS NOS ACOMPANHE HOJE E TODOS OS DIAS DA NOSSA VIDA, TORNANDO-NOS MERECEDORES DE PERTENCER À FRATERNIDADE DOS ESCUTEIROS DE TODO O MUNDO!

sábado, 22 de novembro de 2008

A PRÁTICA DA BOA ACÇÃO

" O ESCUTEIRO É ÚTIL E PRATICA DIÁRIAMENTE UMA BOA ACÇÃO"
Quando me tornei Escuta, tinha orgulho em dizer a todos o significado do nó na ponta do meu lenço! Mas também tinha consciência de que o não tirar o nó podia induzir em erro aqueles que sabiam tal significado: - "Então... hoje não ajudastes a velhinha a atravessar a rua?"... "Não fizestes hoje a tua B.A., pelo que preciso que me faças um favor..." e outras coisas do género. Se fosse a mostrar má cara, não estava a ser fiel à Lei e à Promessa, pelo que havia quem se aproveitasse para "arranjar um criado barato", como costumava dizer-me o meu Pai.
Quando cresci, ao tornar-me Caminheiro e depois Dirigente, procurei que os rapazes e raparigas que me eram confiados, soubessem o porquê de nunca desmanchar o nó no lenço, pois para o Escuta A BOA ACÇÃO NUNCA ESTÁ FEITA! Penso que a solidariedade não deve ser apenas mostrada naqueles momentos em que prestamos a nossa ajuda a uma causa, em que auxiliamos uma pessoa, ou quando num determinado momento nos é solicitada a ajuda para um qualquer evento a realizar, de índole paroquial, autárquico ou de auxílio a alguma família que esteja mais carênciada de ajuda.
A Boa Acção não é um sinal de menoridade de quem a pratica, pois será com ela que poderemos mostrar o verdadeiro sentido da divisa que um dia escolhemos para a nossa vida: "DA MELHOR VONTADE", enquanto Lobitos, ou "SEMPRE ALERTA...PARA SERVIR", de Explorador a Dirigente... e não podem ser palavras vãs no léxico dos Escuteiros. A ajuda que se presta aos Irmãos é a ajuda que prestamos ao Chefe Divino, que disse: "AQUILO QUE FIZERES A UM DOS MAIS PEQUENOS, A MIM O FARÁS!".
Queridos Amigos e Irmãos Escutas: A BA é verdadeiramente o atestado que podeis exibir para mostrar a vossa entrega total aos Princípios, à Lei e à Promessa que um dia pronuncistes: "PROMETO POR MINHA HONRA E COM A GRAÇA DE DEUS FAZER TODOS OS POSSÍVEIS POR CUMPRIR OS MEUS DEVERES PARA COM DEUS, A IGREJA E A PÁTRIA, AUXILIAR O MEU SEMELHANTE EM TODAS AS CIRCUNSTÂNCIAS E OBEDECER À LEI DO ESCUTA!"
Será uma forma de vêrmos postos a render os nossos talentos, pois quem dá aos pobres empresta a Deus... e até um sorriso poderá ser uma BA que muito agradará ao Chefe, quando um dia estivermos com Ele, no Acampamento Eterno.
JÁ FIZESTES A TUA BOA ACÇÃO DE HOJE? NÃO? PORQUE ESPERAS?

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

NA PISTA DE BADEN-POWELL

Quando o Chefe Mundial visitou Lisboa, os Escutas de Coimbra enviaram dois elementos para os representar na recepção feita ao Fundador, a quem entregaram um álbum fotográfico com fotos da sua cidade e alguns trabalhos executados pelos Escuteiros da cidade dos estudantes, além de uma colecção do seu jornal "O Escuteiro de Coimbra".
Na continuação da sua viagem, Baden-Powell, de bordo do navio e em pleno alto-mar, escreveu-lhes a seguinte carta:
...
> "No mar, 5 de Março de 1929. - Meus caros irmãos escuteiros de Coimbra: - Recebi hoje a vossa amabilíssima oferta de um álbum de fotografias, que me veio trazer a todos vós até junto de mim. Muito me alegro em poder assim verificar a união em que viveis.
>Eu só desejava, se me tivesse sido possível, visitar a vossa antiga e interessante cidade, para vos ver pessoalmente, mas o meu tempo para Portugal foi infelizmente limitado a poucas horas.
> Levo comigo uma saudosa recordação deste curto tempo e dos esplêndidos escuteiros que na recepção tive ocasião de ver. Por isso o vosso álbum será guardado como uma encantadora lembrança desta visita ao vosso país.
> Permitam que lhes venham reforçar o pedido de atenção para os pontos que sugeri aos escuteiros quando os vi em Lisboa, e que são:
>>> 1º. - Praticai a lei escuteira - Pondo-a em prática na vossa vida quotidiana, principalmente auxiliando o vosso semelhante;
>>> 2º. - Dizei a vós mesmos: - "O meu país é moralmente grande e eu farei tudo quanto puder para o tornar ainda maior";
>>> 3º. - Considerai como verdadeiros irmãos todos os escuteiros dos outros países, escrevendo-lhes ou visitando-os. Se um dia os homens de todos os países fossem irmãos e não estranhos, então acabariam as guerras e a paz reinaria no mundo.
> Que no primeiro Jambori Internacional Escuteiro em Binkerkead, em Agosto próximo, possamos ver um contigente de escuteiros de Coimbra. Podeis estar seguros de uma calorosa recepção nos braços dos vossos irmãos ingleses
> Entretanto, aceitai os meus cordiais agradecimentos e os melhores votos de prosperidades.
> Vosso verdadeiro...
...................................ROBERT BADEN-POWELL"

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

O QUE É A INSÍGNIA DE MADEIRA ? E GILWELL PARK?

Nos primeiros anos do Escutismo, a formação dos dirigentes fazia-se de forma assistemática e empírica. Formava-se uma patrulha e os jovens pediam aos familiares ou amigos que fossem os seus Chefes. Tornava-se evidente, no entanto, que isso era insuficiente para treinar garotos entusiásticamente interessados em ser Escuteiros. Os Dirigentes, lógicamente, é que precisavam ser preparados na arte Escutista. Sobre o assunto falou o general Sir Robert Lockhart, dirigente da Associação dos Escuteiros de Inglaterra, afirmando, a esse propósito , em 1954:
"O treino é algo absolutamente vital, interessante e importante, porque o nosso Movimento é, acima de tudo, um Movimento de Preparação e Treino..."
"O espírito Escutista não é uma coisa que possa ser ensinado",
disse."Pode ser absorvido e adquirido vivendo com as pessoas que mostram isso publicamente nas suas vidas e numa atmosfera impregnada deste espírito."
Os pioneiros do Escutismo entenderam ser útil e urgente que os Chefes Escuteiros conhecessem os seus objetivos e soubessem como os alcançar. James E. West, o primeiro Chefe Escuta dos Estados Unidos, cargo que deteve por mais de 33 anos, definiu bem o problema quando lhe perguntaram quais as três coisas de que o Escutismo mais necessitava . Respondeu: "Formaão, formação, formação."
O primeiro curso de formação para Chefes Escuteiros realizou-se em Londres, no ano de 1910. Outros cursos foram realizados durante os quatro anos que antecederam a 1ª Guerra Mundial. Eram chamados "cursos experimentais", e tinham muitas palestras... mas poucas actividades práticas.
Lord Baden-Powell, o Fundador, procurou então encontrar um local adequado para a formação de dirigentes. Pretendia fazer como em Browsea, pois chegara à conclusão de os cursos serem mais eficientes quando realizados no campo, utilizando como base o Sistema de Patrulhas.
Nos finais de 1918, o Comissário Distrital de Rosenearth (Escócia), William de F. de Bois Maclaren, um amigo de Baden-Powell, propôs-se destinar uma área de terreno para que os escuteiros de menores recursos pudessem usar para acampar. B-P sugeriu-lhe que esse espaço também servisse para a formação de adultos.
Em 1919, adquiriu a área pretendida para o efeito, que ficava ao lado da floresta Epping, a norte de Londres. Ao local foi posto o nome de Gilwell Park, que foi inaugurado a 25 de julho de 1919. A relva perfeita, os centenários carvalhos , o pequeno museu e as relíquias escutistas tornavam este num local mágico, rico em simbolismo para o Escutismo Mundial.
A Insígnia de Madeira surgiu no Escutismo pela mão de Baden-Powell, quando do primeiro curso realizado em Gilwell Park, de 8 a 19 de setembro de 1919.
O símbolo da formação são duas pequenas contas de madeira, cópia de um velho colar oferecido a Baden-Powell por Dinizulu, rei Zulu, durante sua permanência na África austral, como um reconhecimento da superioridade guerreira e pela forma digna como tratou o rei e a seu povo.
O original do colar de contas encontra-se guardado na "Baden-Powell House" em Londres. É um colar com cerca de 7 metros, composto por mais de 2000 contas dem madeira, passadas pelo fogo. Na sua origem, a conta de madeira passada pelo fogo, representava o tição do primeiro fogo aceso pelos antepassados. As contas são esculpidas em madeira africana de cor amarela, com a medula macia, e deixou um pequeno entalhe natural em cada extremidade quando foi trabalhada. Estas contas também evocam o "fogo sagrado", que é o símbolo da fidelidade a um ideal.
Baden-Powell apoiou o primeiro curso em Gilwell Park, dirigido por Francis Gidney, dando a cada participante uma das contas do colar que pertencera ao chefe africano. A sua idéia era conceder algo que tivesse maior significado que um diploma ou um certificado. Os portadores da Insígnia de Madeira usam uma correia com as extremidades unidas por um nó de aselha e, em cada ponta, são fixadas as contas por um cote de uma volta. Quando a correia possuir duas contas, uma em cada ponta, significa que o seu portador é Escuteiro ou Dirigente que concluiu a Insígnia de Madeira . Três contas, uma numa ponta e duas na outra, significa que o seu portador é Formador Básico. Quatro contas, duas em cada ponta, refere-se ao Formador de Curso Avançado. Seis contas são privativas do Chefe de Gilwell Park.
O lenço de Gilwell foi criado por Baden-Powell a pedido dos primeiros formados com a IM. Inicialmente foi confeccionado em tecido "tartan", homenageando o clã familiar dos MacLaren, mas mostrou ser , no futuro, bastante oneroso e de difícil aquisição. Alterou-se então para o tecido do uniforme do Exército Colonial Inglês, aplicando-se na ponta triangular um retângulo do "tartan" MacLaren, mantendo-se assim a referência aos que adquiriram as terras de Gilwell. A anilha, que fixa e ajusta o lenço ao pescoço, é um entrançado de duas voltas numa tira de couro, com perfil redondo e cor preta, também conhecido como "cabeça de turco". O uso desta anilha significa que o seu portador possui o Curso Básico, pré-requisito para iniciar as três partes do último estágio oficial na formação de um Chefe Escuteiro. O alerta inicial, entretanto, não pode ser esquecido: formação e treino como um processo contínuo!

segunda-feira, 13 de outubro de 2008

SERVIR...a missão do "Chefe"

* Não adianta imaginar que mandar é fácil, bastando um rosto hermético e uma voz imperiosa, para se ganhar a batalha. Para ser "Chefe", é necessário possuir-se aquele amor ao próximo e aquela cultura que nos permitem conhecer os homens e perscrutar os recônditos da sua alma, além de que é necessário pertencer-se igualmente àqueles previlegiados espiritualmente que tomaram para si próprios a divisa: SERVIR, mas de uma forma desinteressada, perseverante e corajosa, que lhe são impostas pelas convicções, entusiasmo ou carácter.
* Todos os indivíduos têm necessidade de fazer uma opção de vida, de escolher uma doutrina capaz de os orientar para o quotidiano da vida, acreditando que só deste modo poderão contribuír para que o seu País esteja a ser servido de forma conveniente, porque existirá um lema alutinador que orientará a sociedade. Quando da minha entrada para o Escutismo, escolho como divisa "QUEM NÃO VIVE PARA SERVIR, NÃO SERVE PARA VIVER!". Foi uma forma de me impôr "SERVIR" como modo de vida.
* Sabemos que toda a autoridade vem de Deus, mas é dada ao "Chefe" em benefício dos outros e não em benefício pessoal, pois a autoridade poderia definir-se como o direito de ordenar aquilo que está mais conforme os interesses gerais da sociedade onde nos inserimos.
* Um "Chefe" jamais cumprirá a sua missão senão na medida em que, ao bem pessoal, antepõe o bem comum e ao interesse particular prefere o interesse geral. O verdadeiro Dirigente Escutista não procura dominar por dominar nem se serve dos que lhe são confiados, mas antes os auxilia no SERVIR uma causa que os supera. Familiarizar-se com o Movimento em que está inserido, fazendo por cumprir as suas Leis e Regulamentos, constituirá o primeiro elemento da alma do "Chefe".
* No Escutismo, em especial, e no dia-a-dia em particular, mandar é servir: SERVIR a Deus, em nome de Quem se exerce o poder - porque toda a autoridade que, em última análise, não O tenha como fundamento é ilusória ou uma usurpação; SERVIR aqueles que se comandam, os quais, sem chefe, correriam o risco de serem um rebanho sem pastor; SERVIR a causa que nos supera e merece a adesão, a obediência e, se for preciso, o sacrifício próprio.
* Pensemos, pois, quão bela é a missão de SER CHEFE! Será até mais do que uma missão: é uma vocação, um chamamento, uma espécie de predestinação. Porque "toda a autoridade vem de Deus", os que exercem funções de chefia tornam-se como que em intermediários entre Deus e os seus subordinados. Os textos das Escrituras não admitem restrições nem reservas: - É-se chefe "em nome de Deus", e unicamente para fazer com que os outros homens se tornem mais semelhantes a Ele, ajudando-os a tornarem-se mais homens, a tomarem consciência da sua dignidade de criaturas divinas, a desenvolver os talentos que providencialmente lhes foram distribuídos (Mgr. Pinson, Bispo de Saint-Flour).
* Tendo por objectivo "SERVIR", o chefe dá, à sua maneira, exemplo de obediência, e, além disso, faz surgir nitidamente diante de todos que tem autoridade para exigir dos outros a procura desinteressada do bem comum.
* O chefe não decide arbitrariamente; constitui norma para si procurar a ressonância no mais profundo daqueles que conduz. O chefe não só orienta, mas também ajuda ; que aqueles que sentem em si uma vontade rejubilem: o chefe não é chefe senão para os ajudar a querer.
* No chefe, o indivíduo deve apagar-se de qualquer maneira e desaparecer na função. Este apagamento, viril e corajoso, confere-lhe um prestígio e uma força que nenhuma outra reserva dá. Tornando-se, mas de modo intenso e visível, pessoa pública, eleva-se, pelo próprio serviço, acima de individualismos estreitos. A sua voz possui um timbre diferente da dos outros: torna-se a voz da consciência moral em busca do bem superior da colectividade. A autoridade está ligada, sobretudo, à existência e à consciência duma missão superior, de que o chefe tomou o encargo não em proveito próprio, mas para bem daqueles que dirige e dos quais tem a responsabilidade.
* O chefe não manda "por prazer", sem interesse, como um senhor que domina escravos e colhe benefícios do trabalho dos outros. Não é esse o papel do bom Dirigente, que foi escolhido para conduzir uma comunidade, através de uma engenhosa hierarquização de meios, devido ao seu alto valor moral. A sua missão deve dominá-lo, como uma vocação. Ele pertence à missão que lhe é cometida. Dá-se à comunidade - para que ela se torne naquilo que pode e deve ser. O Dirigente no Escutismo, como um verdadeiro CHEFE, SERVE! E se está verdadeiramente compenetrado no pensamento da missão que lhe está cometida, completamente tomado por essa vocação e votado ao serviço dela, então e só então é um CHEFE (Dunoyer de Segonzac).
* O chefe não é principalmente o que anima, persuade, arrasta, convence, mas aquele que manda em nome da autoridade de que está legitimamente investido, e é para ele a mais nobre maneira de servir. A sua missão é um autêntico serviço social. Mandar é servir. O chefe está ao serviço da comunidade, mas não quer isto dizer que deva estar às suas ordens: estas não são muitas vezes senão a expressão de seus caprichos ou fantasias, quando não são o fruto de sugestões estranhas, mais ou menos interessadas. Com razão, deve dizer-se do chefe que ele deve ser o intérprete do bem comum; não significa isto, porém, que deva ser o intérprete da vontade geral. Esta, dadas as variações de sensibilidade próprias da psicologia das multidões, não é muitas vezes outra coisa senão a inconstante opinião pública, em frequente contradição com o verdadeiro bem superior do conjunto.
* O chefe não é um simples delegado da comunidade, mas o seu guia em prossecução dos seus mais altos fins. Mesmo eleito e designado pelos seus pares, a autoridade de que é o depositário confere-lhe o direito de mandar sem que tenha de usar sempre, para se fazer obedecer, de persuasão e de argumentos pessoais. Um chefe deve possuir, antes de tudo, o sentimento da sua responsabilidade. Ter o sentimento da responsabilidade não significa que espere ser punido, se não cumpre o seu dever - um verdadeiro chefe não pensa nas sanções em que poderia incorrer a respeito doutros chefes, colocados acima de si na hierarquia. Mas, quanto aos que estão a seu cargo, não deseja que sofram inutilmente, que sejam injustamente punidos, ou privados do pouco conforto que podem ter. Não deseja que façam três quilómetros a mais, porque as ordens foram mal dadas. Não quer, que, após longa caminhada, vagueiem pelas aldeias onde chegaram, sem saber em que lugar devem acampar, sem possuir um pouco de palha para descansar, sem ter, se é possível, uma sopa quente que os reconforte. Pensa em tudo, por tudo vela; não come nem se deita sem que tudo esteja em ordem. Uma coisa há em que não pensa: na sua própria fadiga. Não sendo escravo de seus superiores, é-o, no entanto, do dever de protecção que deve aos seus. Este sentido da necessidade dos outros torna-o muitas vezes capaz de trabalhos que parecem acima das suas forças.
SER CHEFE É UMA RESPONSABILIDADE QUE DEUS NOS DÁ, PORQUE ASSIM SERVIMOS A DEUS ATRAVÉS DOS IRMÃOS! MAS TAMBÉM É UMA DÁDIVA!

sábado, 4 de outubro de 2008

SÃO FRANCISCO DE ASSIS


* O dia 4 de Outubro é o Dia de São Francisco de Assis, il Poverello, o padroeiro dos Lobitos de todo o mundo! Mas... quem foi São Francisco de Assis?
* São Francisco nasceu por volta de 1181/1182 , na cidade de Assis , na Itália, sendo batizado como Giovanni di Pietri. No entanto o seu nome acabou por ser mudado, algum tempo depois, passando a chamar-se Francisco, em virtude de o seu pai, Petri di Bernardone, que era comerciante e viajava frequentemente por França, querer, com esse nome dado ao filho, prestar uma homenagem ao país onde fazia os seus melhores negócios.
* Em 1198 deu-se um conflito em Assis, envolvendo a nobreza e os comerciantes. Os nobres foram-se refugiar em Perusa, uma cidadezinha próxima de Assis, tendo o jovem Francisco ficado preso durante o ano de 1204. Nesta cidade de Perusa também se encontrava a família da jovem Clara, uma amiga de Francisco.
* Quando regressou a Assis, São Francisco vinha doente... e começa então a sua conversão gradual, dedicando-se a dar esmolas e até a oferecer suas roupas aos pobres. Tem visões e começa a desprezar o dinheiro ou as coisas mundanas. Um dia encontra-se com um leproso, a quem dá esmola e um beijo. Este acontecimento marcou-o de tal modo que, das muitas coisas ocorridas na sua vida, este foi o primeiro a entrar no seu Testamento, "pois o que antes era amargo se converteu em doçura da alma e do corpo".
* Outros encontros vieram afirmar ainda mais a vocação de São Francisco, que nas ruínas da igreja de São Damião recebeu de Cristo Crucificado o mandato para restaurar a Sua Igreja. Obediente, São Francisco logo põe mãos ao trabalho. Reconstruiu três pequenas igrejas abandonadas: aquela de São Damião, a de Santa Maria dos Anjos e a de São Pedro.
* Seu pai, envergonhado pela nova vida adotada por Francisco, queixou-se ao bispo de Assis da prodigalidade do filho e, diante do prelado, pediu a Francisco que lhe devolvesse o dinheiro que havia gasto com os pobres. Como resposta, fez ali mesmo renúncia à vultosa herança do progenitor: despindo as vestes, que lançou ao chão, Francisco exclamou: "... doravante não direi mais pai Bernardone, mas Pai nosso que estás no céu..." A partir daquele momento passou a viver na pobreza, e deu inicio à Ordem Franciscana, que rápidamente cresceu no número de companheiros, pois em 1209 já são 12.
* Estabelece uma regra muito breve e bastante singela, que o papa Inocêncio III aprovou em 1210. As diretrizes principais dessa regra são a pobreza e a humildade, surgindo então a Fraternidade dos Irmãos Menores, a Primeira Ordem.
* No Domingo de Ramos de 1212, uma nobre senhora, Clara de Favarone, foi procurar o amigo Francisco para abraçar a vida de pobreza. Alguns dias depois, também Inês, sua irmã, seguiu o mesmo caminho. Estava criada a Fraternidade das Pobres Damas, a Segunda Ordem. Havia ainda aqueles que sendo casados ou com ocupações no mundo, que os inibia de serem frades ou irmãs religiosas, mas desejavam seguir os ideais de Francisco, que não foram esquecidos: por volta de 1220, Francisco criou a Ordem Terceira Secular, destinada a homens e mulheres, casados ou não, que podiam continuar as suas atividades na sociedade e a viver o Evangelho.
* A Ordem Francisca foi crescendo e em 1219 deu-se uma grande expansão que a levou até à Alemanha, Hungria, Espanha, Marrocos e França. Neste mesmo ano foi São Francisco em missão ao Oriente. Durante o tempo de ausência, houve vigários que modificaram algumas das regras da Ordem e, nesse mesmo ano de 1219, São Francisco demitiu-se da direção da Ordem. Esta cresceu, havendo quase 5.000 frades em 1221, pelo que uma nova regra foi escrita por São Francisco, em 29 de Novembro de 1223, que veio a ser aprovada pelo papa Honório. É a Regra que vigora até hoje.
*Em 1224, a 17 de Setembro, num dos eremitérios dos frades situado no Monte Alverne, São Francisco recebeu as chagas de Jesus crucificado no seu próprio corpo. Os últimos escritos de São Francisco são feitos entre 1225 e 1226, deles fazendo parte o Cântico das Criaturas e o Testamento. Nestes mesmos anos, Francisco foi a vários lugares da Itália para tratar dos seus olhos . Submeteu-se a diversas cirurgias.
*Morreu a 03 de outubro de 1226, num dia de sábado.
Morreu nu aquele que iniciou a conversão ficando nu naquela praça de Assis, diante do Bispo, do pai e dos amigos. Morreu a ouvir do Evangelho de João, a narrativa da Páscoa do Senhor, aquele Francisco que recebeu os primeiros companheiros após ter ouvido o Evangelho do envio dos apóstolos. Foi sepultado no dia 04 de outubro de 1226, num Domingo, na Igreja de São Jorge, na cidade de Assis.

sábado, 27 de setembro de 2008

ESCUTISMO - Formação integral do jovem

* Agora que recomeçou o ano escolar em todo o País, haverá muitas interrogações que os pais e encarregados de educação gostariam de ver respondidas por quem de direito, quanto àquilo que irão ser as actividades escolares programadas para os educandos à sua responsabilidade.
* Paralelamente ao ano escolar, também se iniciam as actividades da Catequese Paroquial e bem assim írá ser preparado o restabelecimento das actividades Escutistas em todos os Agrupamentos espalhados pelo País.
* O Verão teve o seu epílogo e o balanço do que foi conseguido com o seguir a pista traçada para o ano escutista, nomeadamente:
- O que foi feito em termos de actividades para a Alcateia? Foram cumpridos todos os objectivos propostos? Com que resultados? Prepararam-se as Promessas dos novos Lobitos? E a Passagem, como está prevista? O material tem condições? Foi recuperado o que não estava pronto para utilização? Os seguros... funcionaram? Quando chegar o dia de S. Francisco de Assis, que eles estejam preparados para uma comemoração condigna.
- O Grupo Júnior e o Sénior prepararam actividades próprias ou aceitaram convites de outras Unidades para acampar? Todas as actividades previstas decorreram conforme o plano? Estando em vias de se concretizar a canonização do Beato Nuno de Santa Maria, sabendo nós o que isso significa para todos os Escutas... que tal preparar uma actividade virada para a comunidade, em que sejam postas em evidência as virtudes do Santo Condestável.
- O Clã, depois de haver participado activamente nos Rover's acontecidos um pouco por toda a parte, certamente terá muito para contar. Ao redor da fogueira, em convívio fraterno, preparamos os nossos ouvidos para ouvir e os olhos para vêr as novas que nós trazem das quatro partidas do mundo.
* Perguntou-me alguém como justificava a afirmação de que o Escutismo é uma escola de formação integral do jovem. Sem rebuço de poder errar, disse ao meu interlocutor que o método de Baden-Powell é único, pois prepara o jovem para a vida em sociedade dando-lhe noções do que é a partilha, a generosidade, a lealdade, o saber fazer, além de que lhe incute no espírito a necessidade de ser hoje melhor do que ontem, amanhã melhor do que hoje!
*No Escutismo o jovem está ao serviço de Deus, da Igreja e da Pátria; pratica generosamente uma Boa Acção diária, sem nunca regatear doar-se. E, como "o dever do Escuta começa em casa", é no seu lar que o jovem começa por ser exemplo, é na escola que tenta ser o melhor, é na alegria que conseguirá levar os outros a verem no Escutismo essa escola integral.

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

D.NUNO ÁLVARES PEREIRA

Vida religiosa
Nos últimos anos da sua vida Nuno Álvares Pereira recolheu-se no Convento do Carmo, onde morreu.
Após a morte da sua mulher, tornou-se
carmelita (entrou na Ordem em 1423, no Convento do Carmo, que fundara como cumprimento de um voto). Toma então o nome de Frei Nuno de Santa Maria.
Aí permaneceu até ao dia da sua morte, ocorrida em 1 de Novembro de 1431, com a idade de 71 anos.
Durante o último ano de vida do Beato Nuno, el-Rei
D. João I fez-lhe uma visita no Convento Carmo. D. João considerou sempre ter sido D. Nuno Álvares Pereira o seu amigo mais próximo , aquele que o colocara no trono e lutara e salvara a independência de Portugal.
Quando do
Terramoto de 1755, o túmulo de Nuno Álvares Pereira foi destruído, juntamente com o Convento. No seu epitáfio podia ler-se: "Aqui jaz o famoso Nuno, o Condestável, fundador da Casa de Bragança, excelente general, beato monge, que durante a sua vida na terra tão ardentemente desejou o Reino dos Céus depois da morte, e mereceu a eterna companhia dos Santos. As suas honras terrenas foram incontáveis, mas voltou-lhes as costas. Foi um grande Príncipe, mas fez-se humilde monge. Fundou, construiu e dedicou esta igreja onde descansa o seu corpo."
À margem da história, conta-se, como apócrifa, que o Rei Dom João de Castela se teria deslocado ao Convento do Carmo, para se encontrar com Frei Nuno´de Santa Maria, o nosso D. Nun'Álvares, e lhe terá perguntado qual a posição que tomaria se Castela invadisse novamente Portugal. Então o Iirmão Nuno limitou-se a levantar o hábito, e mostrou, por baixo deste, a sua cota de malha, indicando assim toda a sua disponibilidade para servir o seu país sempre que necessário.
Beatificação e Canonização
D. Nuno Álvares Pereira foi
beatificado em 23 de Janeiro de 1918, pelo Papa Bento XV. O seu dia festivo é a 6 de Novembro. O processo de canonização, que havia sido iniciado em 1940, sendo interrompido posteriormente, foi reiniciado em 2004 e teve o seu termo anunciado para o ano de 2008.
Em espírito de acção de graças a Deus pelos dons que abundantemente concede à Sua Igreja, e com profunda alegria, informamos todos os escuteiros que, de acordo com uma notícia veiculada pela Agência Ecclesia, o patrono do Corpo Nacional de Escutas irá, finalmente, ser canonizado!
Como é do conhecimento geral, o processo de canonização de Beato Nuno de Santa Maria estava já em curso, faltando ultimar alguns aspectos próprios deste tipo de processo.
Assim, conforme foi divulgado, «Bento XVI abriu a 3 de Julho as portas à Canonização do Beato Nuno Álvares Pereira, ao autorizar a promulgação de dois decretos que reconhecem um milagre atribuído ao futuro Santo português e as suas virtudes heróicas».

segunda-feira, 8 de setembro de 2008

ESCUTEIRO DE ONTEM E HOJE...

- Nunca, como hoje, o Escutismo teve tantos "antigos" a envergar a farda e a colocar à volta do pescoço o lenço castanho, símbolo de pertença a um Movimento que é, cada ano que passa, mais credibilizado, mais apreciado, mais segundo as necessidades de complemento à educação integral dos jovens, segundo o método do Fundador, Baden-Powell.
- A Fraternidade Nuno Álvares, talvez por acção do seu Patrono, Beato Nuno de Santa Maria, tem crescido a olhos vistos e a sua acção é credora dos maiores elogios em tudo quanto é sociedade, pois esta dá a mão à palmatória e afirma que o Escutismo, tal como é preconizado para os Lobitos, cresce em graça e idade... só que mais amadurecida.
- Fiz a minha Promessa com 7 anos de idade, portanto já há 58 anos! Em tantos anos a reger-me pela divisa "SEMPRE ALERTA... PARA SERVIR", depois de o ter feito "DA MELHOR VONTADE", jamais me passou pela cabeça a ideia de um dia pertencer à Fraternidade. Sempre me repugnou a ideia de uma dia deixar de ser Escuteiro no activo, porque fiel ao lema que sempre orientou os meus propósitos de vida: "QUEM NÃO VIVE PARA SERVIR... NÃO SERVE PARA VIVER!".
- Mas tudo tem o seu tempo, e o meu tempo no Escutismo já passou à história, porque a vida se encarregou de dizer ser tempo de parar. Valeu a pena? Tudo vale a pena, segundo o poeta, quando a alma não é pequena. Ficaram para sempre as memórias dos vários acampamentos pelo País e por algumas partes do mundo! Ficou-me a certeza de ter andado pelo mundo a cultivar a Amizade - um bem supremo que nunca deve ser alienado - ajudando a crescer muitos jovens de ontem, que hoje estão na sociedade com verdadeiro orgulho daquilo que são... e do que foram graças ao Escutismo!
- Talvez não seja utópico dizer-se que "QUEM FOI ESCUTEIRO UM DIA... SERÁ ESCUTEIRO TODA A VIDA!", porque dentro de nós está sempre o espírito da "RADIOSA FLORAÇÃO...", a certeza de que "SOMOS A FLÔR DA FRAGÂNCIA..." que um dia, talvez ontem mesmo, se reunia "AO REDOR DA FOGUEIRA" ciente de que não foi em vão que pediu ao Chefe Divino "MINHA PROMESSA ATENDE...", porque "NÓS SOMOS OS ESCUTEIROS, DESTA PÁTRIA SEM RIVAL..."
- Por agora... BOA CAÇA e SEMPRE ALERTA... ontem, hoje e sempre, com a Graça de Deus!

sexta-feira, 22 de agosto de 2008

ESCUTEIROS DA EUROPA... O QUE É?

Educação diferenciada para rapazes e raparigas
*
H Há já dezenas de anos que a educação mista foi imposta no domínio escolar: actualmente, faz parte da paisagem diária das crianças e dos jovens. Esta situação apresenta, incontestavelmente, aspectos positivos: os rapazes e raparigas não são mais educados na ignorância do outro sexo. Mas no que diz respeito à educação, torna mais difícil reconhecer a identidade plena de cada um.
K A mistura generalizada não permite o recolhimento necessário para que cada jovem se situe e descubra a sua identidade própria. Para além disso, verifica-se actualmente uma forte tendência para sexualizar todos os comportamentos e todas as relações homem/mulher.
p Sob o efeito poderoso da imagem normalizadora veiculada pelos média, favorece-se a generalização de atitudes baseadas nas relações sexuais dos adultos, onde a emotividade e afectividade, que não podem ser senão mal dominadas nesta idade, são as únicas regras de conduta propostas aos jovens.
* Numerosas vozes se fazem hoje ouvir para sublinhar a importância de uma educação diferenciada para rapazes e raparigas. As Guias e Escuteiros da Europa praticam esta diferenciação desde a origem do Movimento.
k Numa sociedade totalmente mista, nós propomos hoje um espaço específico para rapazes e outro para raparigas.
º O objectivo educativo é:
- permitir aos rapazes e raparigas a expressão e afirmação da sua identidade própria: as necessiades físicas e psicológicas, os centros de interesse, os modos de afirmação da personalidade são diferentes; num grupo misto, a tendência é mais de impor a norma masculina (linguagem, vestuário), o que é pouco respeitoso da identidade feminina.
- respeitar as diferenças de maturidade psicológica: especialmente na idade escolar e mesmo liceal; a maturidade precoce das raparigas tem um efeito desvalorizador nos rapazes.
- as actividades escutistas são assim, espaços de liberdade onde os rapazes e raparigas podem desempenhar cada um o seu papel, o que lhes permite descobrir progressivamente a riqueza e harmonia das suas vocações pessoais no plano divino e a sua complementaridade: "Deus criou o Homem à sua imagem... Ele os criou, homem e mulher."
- é por isso que, ao favorecer e respeitar a formação de uma identidade própria no quadro de Unidades homogéneas e separadas, o Movimento procura igualmente levar á descoberta desta complementaridade: a criação de uma organização com duas secções, separadas nas suas actividades mas partilhando as mesmas regras, objectivos e o mesmo ideal, e reunidas na igualdade de poder e de responsabilidade ao nível dos mais velhos e dos adultos, é uma intuição notável de modernidade.
m Em todos os níveis, os responsáveis, homem e mulher, agem conjuntamente. Na idade de Caminheiros e Guias-Mais-Velhas, as actividades de formação e de serviço comuns aos rapazes e raparigas são frequentemente organizadas no quadro do Clã ou do Fogo. No respeito da sua identidade e das suas qualidades, eles vivem, pela prática das suas responsabilidades, uma experiência de complementaridade que os prepara directamente para a sua vocação de colaboração harmoniosa na construção do mundo.
; A Associação está dividida por escalões etários. É assim que, dos 8 aos 12 existem os Lobitos e as Lobitas, dos 12 aos 17, os Escuteiros e as Guias, e dos 17 em diante, os Caminheiros e Guias Mais-Velhas.
Z Em Portugal, a Associação está presente em duas provincías: a da Beira Alta e a da Estremadura. Na província da Estremadura, existem 6 grupos, dois em Massamá, dois em Tercena e dois em Caneças. Na Beira Alta, a AGEEP está presente em Moimenta da Beira e na Lapa, entre outros.

segunda-feira, 11 de agosto de 2008

NO ETERNO ACAMPAMENTO... UM AMIGO

Partiu para o Eterno Acampamento o Pardal-Curioso!

  • O Vitor Manuel da Conceição Touricas, para além da actividade desenvolvida nos Agrupamentos, foi um colaborador dos Serviços Centrais do CNE durante muitos anos, particularmente na revista “Flor de Lis”, onde fez foi um pouco de tudo. Tinha um estilo muito próprio no que escrevia, que se tornava evidente nas rubricas “Dizem de Nós” e “Ecos Escutistas”, onde dava conta de tudo o que a Comunicação Social ia publicando acerca do Escutismo. Pela sua condição de Militar, foi também correspondente (Escutismo) em África.
  • Nascido a 16 Janeiro de 1940, na Raposa, Almeirim, era casado com a "Chefe" Lucinda e pai extremoso do Luis e do Victor José, ambos conquistados para o Escutismo pelo exemplo do Pardal Curioso, cuja empatia a todos seduzia.
  • No Escutismo era detentor de um enorme curriculum . Tornou-se Dirigente do Corpo Nacional de Escutas em Julho de 1969, tornando-se Chefe do Clã e do Agrupamento de S. José Operário, no Negage - Angola. O autor deste Blog foi um dos colaboradores do Pardal Curioso, como Chefe de Grupo do mesmo Agrupamento. Com direcção do Chefe Touricas e composição e impressão do Lobo Esfaimado - o autor deste blog - , foi lançado no Negage o jornal "O BRADO", orgão 0ficial do Agrupamento de S. José Operário. Já na Metrópole, fez o Curso Avançado de Formadores. Foi Chefe dos Agrupamentos 292; Agrupamento 225; Agrupamento 542; do Departamento Nacional; Regional Adjunto; Grupo Explorador; da Redacção da Flor de Lis; Redactor da Flor de Lis; Actualmente era Chefe de Unidade da I Secção.
  • Era portador de louvores e condecorações várias, como a Cruz de S. Jorge de 3ª Classe; Cruz de S.Jorge de 2ª Classe; Cruzde Mérito Monsenhor Avelino Gonçalves.
  • Até Sempre, "Chefe" Touricas!
  • À FAMÍLIA ENLUTADA, O PENSAMENTO DE QUE O VICTOR APENAS FOI PARA MAIS UMA ACTIVIDADE, NO ETERNO ACAMPAMENTO, ONDE O PODEREMOS ENCONTRAR EM AMENA CAVAQUEIRA COM O DIVINO CHEFE, TRATANDO DAS ACTIVIDADES DE AMANHÃ!
  • PELO AMIGO QUE FOSTES, A SAUDADE É GRANDE, MAS CONFORTA SABER QUE CHEGASTES AO FIM DA TUA PISTA EM PAZ E NA AMIZADE DAQUELES PARA QUEM FOSTES EXEMPLO E QUE TE RECORDARÃO PARA SEMPRE!

quarta-feira, 16 de julho de 2008

SABER EDUCAR... INTERPELA...

O texto que segue, é o relato de alguém preocupado com o modo como se vai educando pela acção no Escutismo Católico Português, porque há um déficit de responsabilidade de quem deveria ter a tarefa de estar atento aos jovens que lhe são entregues, ajudando-os a cumprir tudo aquilo a que um dia se obrigaram pela Promessa: Cumprir os deveres, obedecer à Lei do Escuta. Ser Filho de Portugal e bom cidadão; ser amigo e irmão de todos... deixar o mundo um pouco melhor do que o encontrou, segundo o espírito de Baden-Powell.
Mas... há que evitar o aparecimento de textos como este:
"Escuteiros...a que gente entregamos os nossos filhos?
A quem entregamos os nossos filhos? Aos Escuteiros?
LS, que tinha sido em tempos do século passado escuteiro e dirigente do CNE, achou por bem levar o seu filho SS para os escuteiros.
Foi para o agrupamento 61, Santa Maria dos Olivais, Lisboa, onde era chefe de Agrupamento JC, antigo colega de LS.
Passado cerca de um ano, JC deixa o cargo, tendo sido eleito GF, começando pouco depois as quezílias com o Pe IB, assistente do agrupamento.
Em resultado disso, os chefes que não se reviam nas atitudes do Pe IB abandonaram o agrupamento, ficando assim o mesmo sem dirigentes.
( Abandonaram CP, GF, LG, CA, SP, PN, e SMN)
Para não perderem a posse da sede que estava protocolada com a CML, IB desencantou AN, chefe do núcleo, e antigo chefe no 61, que veio assumir a chefia e tentar manter o agrupamento aberto, com a ajuda dos caminheiros, que poderiam ser mais tarde chefes. ( Boas vontades não colmatam falhas estruturais!)
Ao recomeçar o ano escutista, numa actividade mal enquadrada, mal planeada e mal vigiada, SS com 10 anos, de olhos vendados, é deixado ao abandono, dá uma queda, de cerca de 4 metros tendo fracturado o fémur, sem que ninguém tivesse dado pela sua falta.
Pasmam-se os pais ao imaginar que os vossos filhos de 10 anos são largados na serra de Sintra, de olhos vendados sem que ninguém esteja a velar por eles ou a precaver os riscos… ou seja o tipo de jogo que pode ser feito num court de ténis vedado, ou num ginásio, foi feito numa serra, com acidentes naturais não delimitados ou balizados e sem monitores suficientes para não perderem de vista todos os participantes.
Esta situação foi denunciada pelos pais de SS ao assistente de Núcleo NA, ao chefes Regional JCO e Nacional LL, ao assistente nacional JN, bem como a um tal conselho jurisdicional e fiscal, que nunca se dignaram a dar resposta a questões pertinentes:
Cumprem os escuteiros os seus próprios regulamentos acerca da formação e qualidade dos chefes e do enquadramento dos miúdos nas actividades ou aquilo anda AD-HOC?
Cumpre os regulamentos a hierarquia católica ao agir com espírito Dominicano, a acusar e nunca a querer conciliar, cega nas suas decisões, mesmo que delas venham a resultar vitimas inocentes, não punindo os maus chefes ( leia-se maus tecnicamente) mas que não fazem ondas…
Terá essa organização seguros capazes de cobrir estes riscos bem como a irresponsabilidade dos monitores, caminheiros dirigentes e outros ou os pais como LS estão abandonados pelo movimento ao qual confiaram os seus filhos?
Ou será que tem pelos mínimos…só para dizer que tem?
Passados 3 anos e tal, com 3 operações, sofrimentos e dores imensuráveis, aulas perdidas, noites perdidas, dificuldades de todo o género, LS comenta que só houve encobrimento, desviar de olhos e fugas por parte quer da hierarquia do Corpo Nacional de Escutas, quer por parte dos responsáveis directos… nem sequer um simples “querer saber como vai passando”…
Que dirigentes e assistentes são esses que não se importam com as perdas que sofre o movimento?
Que “Corpo” é esse que assiste impávido ao amputar dos seus "membros"?
Que “Amigos de todos e irmãos de todos os outros” são esses?
Que "honra" poderão inspirar os escuteiros á comunidade escolar e aos amigos da familia do SS e a todas as pessoas que sabem do sucedido?
Pensem bem com quem vão deixar ir os vossos filhos…"
CAROS "CHEFES"... SERÁ QUE ISTO VOS DIZ ALGUMA COISA?

quarta-feira, 9 de julho de 2008

D. NUNO ÁLVARES - HERÓI E SANTO

* «Nesta longa e difícil guerra pela independência da terra portuguesa, ao lado do Rei, a acompanhá-lo incansavelmente, vemos a pessoa do Condestável D. Nuno Álvares Pereira.Filho bastardo do Prior do Hospital, D. Fr. Álvaro Gonçalves Pereira, filho bastardo, este, também, de D. Gonçalo Pereira, que foi, mais tarde, Arcebispo de Braga, e de Iria Gonçalves, Nuno Álvares, o Condestável do Rei de Portugal D. João I, nasceu a 24 de Junho de 1360, em Sernache do Bonjardim.
* É, talvez, a figura mais representativa, a figura mais exemplarmente típica do povo português, enquanto ideologias intrusas o não abastardaram e corromperam.Ele trouxe sempre fundidos no seu coração o amor de Deus e o amor da Pátria. Foi Monge e foi Soldado; e foi Santo e foi Herói. Teve o duplo mistiscismo — o do Céu, e o da sua terra. Na hora mais aguda das batalhas, esquecido de tudo, ajoelhava e rezava. E, como os maiores místicos, possuía o sentido rectilíneo do equilíbrio e das realidades. Era um espírito positivo de patriota, animado pela fé mais viva da crença mais alta.Sabia querer: e a sua vontade não conhecia, quando livre, embaraços. Sabia obedecer: e a sua obediência, na hora própria, não suportava reservas.
* Nuno Álvares é a encarnação suprema da Pátria portuguesa: está nos altares, porque a Igreja o reconheceu merecedor de culto; e está nos corações dos portugueses fiéis que vêem nele o símbolo do seu amor pátrio.Sem a sua espada vigorosa e sã, Portugal teria caído possivelmente na órbita de Castela, e tudo quanto fez em prol da Civilização andaria hoje escrito em língua estranha.Riquíssimo de tudo — de honras, de bens e de glória, tudo trocou pelo hábito rude e áspero da estamenha de carmelita, quando viu que a sua Pátria já não precisava de que pusesse por ela «seu corpo em grandes aventuras», como dissera o Rei, no diploma em que lhe conferia o título de Conde de Barcelos.
* O Convento do Carmo começou a edificá-lo, em Lisboa, em 1389. Lentamente, as obras prosseguiam. Os primeiros monges entrariam em 1397 — só portugueses. Nuno Álvares queria habitá-lo.
* Um elo ainda o prendia à vida: a filha. Mas esta, talvez em 1415, morre em Chaves. Dispõe-se a entrar no Carmo. Mas o Rei chama-o para Ceuta.
* E Nuno Álvares obedece.No regresso, liberto já de quaisquer peias, o seu sonho corporiza-se. E em 15 de Agosto de 1423, a porta do convento fecha-se sobre a sua sombra: é Fr. Nuno de Santa Maria!»
* É aí, no seu Convento do Carmo, que acaba por ser chamado para junto do Pai. A morte veio buscar o Santo tinha ele 71 anos de idade. Estava-se no dia 01 de Abril do ano de 1431.
* O Santo Padre Bento XVI deverá colocar o Beato Nuno na galeria dos Santos no final do ano em curso.
* É uma honra para a Fraternidade Nuno Álvares ter como se Patrono este Santo da Corte Celeste. D.Nuno Álvares Pereira é verdadeiramente digno da nossa veneração.
"Santo Condestável, alma pura e bela,
vós que nos salvastes do Rei de Castela,
recebei as graças e mais as mercês
de quem ama a Pátria e é bom Português!"

terça-feira, 24 de junho de 2008

SER ESCUTEIRO

* O Escutismo envolve 75 000 jovens em Portugal e a nível mundial conta com mais de 24 milhões de escuteiros, em cerca de 150 países, espalhados por todos os continentes do mundo. O Escutismo guia-se por um Ideal e um Método Educativo não formal, decorrente do que Baden-Powell criou.
* Organizam-se em agrupamentos (CNE) ou grupos (AEP), cada um com Lobitos, Exploradores ou Juniores, Pioneiros ou Seniores e Caminheiros, de acordo com a idade. Quem pretenda ser escuteiro, não importa se é rapaz ou rapariga, tem apenas de escolher entre:- o CNE - Corpo Nacional de Escutas - que é o escutismo com ligação à religião católica, ou - a AEP - Associação dos Escoteiros de Portugal - que é um escutismo sem uma ligação religiosa oficial (sendo interconfessional, ou seja, com liberdade religiosa).
* O CNE (que fala em escuteiros) propõe:- A ocupação dos tempos livres com actividades de sã alegria;- O enriquecimento da personalidade, criatividade e solidariedade;- O desenvolvimento das aptidões físicas, em contacto com a Natureza;- A vivência de um ideal, ajudando a ser melhor jovem hoje e melhor cidadão e cristão amanhã.
* A AEP (que fala em escoteiros) defende os mesmos ideiais sem a componente religiosa cristã.- Formação do carácter;- Criação de hábitos de observação, disciplina e confiança em si próprio;- Prática da lealdade e do espírito de ajuda ao semelhante;- Serviço aos outros, mediante acções úteis;- Promoção do seu desenvolvimento físico, intelectual, social e espiritual.
* As duas associações, AEP e CNE têm algumas diferenças no uniforme, sendo que, para quem não conhece, por exemplo, as calças/calções da AEP são de cor castanha e no caso do CNE a cor é o azul. As meias também são de cor diferente, mas tudo isto não é o mais importante porque... Um escuteiro reconhece-se logo!
* Existe uma grande organização, com escalões e tarefas, representadas por aquelas insígnias e emblemas que vês nos seus uniformes. Tudo no uniforme do escuteiro (ou escoteiro) explica o que faz, quem é, a onde pertence, etc. Nada está ali por acaso.
* Existe ainda o guidismo, representado pela Associação Guias de Portugal (AGP), um movimento apenas para raparigas, fundado também por Baden-Powell e desenvolvido pela sua mulher, Olave.

terça-feira, 17 de junho de 2008

HISTÓRIA DE KIM - R. Kipling

.... * Rudyard Kipling escreveu, na sua vasta obra, a história de Kimball O'Hara, um jovem órfão, nascido e educado na Índia Britânica, filho de um Sargento de um regimento irlandês estacionado na Índia. Quando os pais morreram Kim era ainda criança, tendo ficado entregue aos cuidados de uma tia. Nas ruas de Lahore, por onde vagueia todo o dia, encontra um velho sacerdote Tibetano a quem se liga com profunda amizade e que passa a seguir como discípulo. Num ambiente ora sedutor ora hostil, de estudante contrariado a espião dos Russos a mando dos serviços secretos Britânicos, Kim, o “O amigo do mundo”, vê-se envolvido em inúmeras e empolgantes aventuras. Debatendo-se entre os valores antitéticos da contemplação e da vida de acção que incontestavelmente o atrai, o jovem Kim encerra em si próprio os contrastes das culturas oriental e ocidental.
..... * Sendo os seus companheiros os rapazes indígenas de rua, Kim aprendu a falar como eles e a conhecer bem os seus costumes, o que lhe foi de grande utilidade no seu trabalho de espião para o Governo de Sua Majestade. O ter encontrado o antigo Regimento de seu pai, veio mudar-lhe um pouco a vida. Tendo entrado no acampamento, foi preso por suspeita de roubo. Ao revistarem Kim, encontraram a certidão de nascimento e outros documentos, onde ficou provado quem ele era, pelo logo o pessoal do Regimento tomou conta dele e o mandou educar. Mas sempre que vinham as férias, Kim voltava a vestir-se à moda indiana e andava pelo meio da multidão como se fosse um deles.
..... * Foi mister Lurgan quem o veio a introduzir nos Serviços Secretos, quendo descobriu as capacidades de Kim para fixar pormenores daquilo que ia observando, o que fazia dele um excelente explorador. Lurgan mostrava a Kim uma salva cheia de pedras preciosas, de tamanhos e variedades diferentes. Deixava-o vê-las durante um minuto, após o que as cobria com um pano e perguntava a Kim quantas e quais as pedrqs que havia visto. Se, no princípio, era difícil recordar-se de todas, após alguns ensaios passou a fixar absolutamente tudo. E não só pedras, mas todos os objectos que fossem colocando ele memorizava-os completamente.
..... * Kim tornou-se um dos mais famosos agentes dos Serviços Secretos Britânicos e as suas aventuras merecem ser conhecidas por todos aquelesque algum dia sonharam ser Escuteiros, porque... O ESCUTA É BOM OBSERVADOR!.

sexta-feira, 13 de junho de 2008

SANTO ANTÓNIO DE LISBOA...

----- Santo António é também muito conhecido como Santo António de Lisboa ou Santo António de Pádua. É um dos mais populares santos da Igreja e o que mais culto recebe por parte do povo. A sua enorme popularidade também é causada por ser considerado, pela tradição popular, como o Santo casamenteiro ou o Santo das coisas perdidas.
----- Santo António nasceu em Lisboa (Portugal) no ano 1195, recebendo o nome de Fernando de Bulhões Y Taveira de Azevedo. Foi baptizado na Sé, fronteira à casa onde nasceu, tendo efectuado os primeiros estudos com o Clero da Sé. Quando perfez 15 anos, entrou para o convento de Santa Cruz de Coimbra, dos frades Agostinianos.
----- Foi cónego regular de Portugal até os vinte e cinco anos, mas tudo mudou na sua vida ao saber que cinco franciscanos haviam sido martirizados em Marrocos, quando ali tentavam evangelizar os infiéis. Santo Antonio decidiu então seguir os passos de outro grande santo, São Francisco de Assis, e tornar-se missionário. Mudou para a Ordem dos frades franciscanos e foi enviado para a missão entre os muçulmanos de Marrocos.
----- Em 1220 Santo António foi ordenado sacerdote. Mas os problemas de saúde, obrigam-no a retornar à Europa, permanecendo num eremitério na Itália. Aí levou uma vida simples e humilde. Amigo do Evangelho de Jesus Cristo e dos pobres, matava a fome aos mais necessitados atravé da palavra de Deus, que pregava, e do pão, que distribuía, sendo um dos maiores defensores dos pobres. Era um enorme pregador, que atraía as multidões pela sua cultura e pela sua santidade, e Deus agraciava-o com o dom dos milagres.
----- Em Santo António cumpriu-se fielmente a palavra de Deus: “Brilhe sua luz diante dos homens para que vejam suas boas obras e glorifiquem vosso Pai que está no céu”.
----- A sua pregação foi uma mais valia para a pacificação política, a moralização dos costumes ou o combate às heresias. Os seus sermões eram tão apreciados que, após a sua morte, aos 36 anos de idade, o povo carregou o seu corpo em procissão . Qual seria o segredo de tudo isto? Simplesmente porque Santo António foi, acima de tudo, um homem de oração e meditação. Ele sempre soube dividir seu tempo entre Deus e os homens: passava toda a Quaresma em rigoroso jejum, meditando a paixão de Cristo e fazendo sacrifícios.
----- Apenas um ano após a sua morte, foi declarado Santo e canonizado pelo Papa Gregório IX a 30 de Maio de 1232, dia de Pentecostes.
----- É o Santo patrono de Lisboa e de Pádua, e sua festa celebra-se a 13 de Junho. Entre seus escritos autênticos, encontra-se uma coleção de sermões para domingos e dias santificados.
----- Os Escutas têm, desde sempre, uma especial veneração por Santo António, que também é o Patrono de inúmeros Grupos e Agrupamentos do Corpo Nacional de Escutas.

sábado, 31 de maio de 2008

NO DIA MUNDIAL DAS CRIANÇAS...

* Todos os anos, no 1º. dia de Junho, parece que o mundo se lembra que há crianças, que estas têm direitos próprios consignados, que merecem toda a atenção, assistência, educação, alimentação... mas, em especial, de AMOR!
* Como será do conhecimento geral, as Nações Unidas aprovaram uma lei chamada "Convenção sobre os Direitos da Criança". Essa lei tem 54 artigos que explicam cada um desses direitos.
Os artigos que não referimos aqui dizem, sobretudo, respeito à forma como os adultos e os governos devem trabalhar em conjunto para que todas as crianças gozem dos seus direitos.
ARTIGO 1º - Todas as pessoas com menos de 18 anos têm os seus direitos escritos nesta convenção.
ARTIGO 2º - Têm todos esses direitos seja qual for a raça, sexo, língua ou religião. Não importa o país onde se nasce, se é portador de alguma deficiência, se é rico ou pobre.
ARTIGO 3º - Quando um adulto tem qualquer laço familiar ou responsabilidade sobre uma criança, deverá fazer o que for melhor para ela.
ARTIGO 6º - Toda a gente deve reconhecer que a criança tem direito à vida.
ARTIGO 7º - A criança tem direito a um nome e a ser registado, pois o nome, o dos pais e a data em que nasceu devem ser registados. Tem direito a uma nacionalidade e o direito de conhecer e ser educado pelos pais.
ARTIGO 8º - Deve manter a sua identidade própria, ou seja, ninguém poderá mudar o nome, a nacionalidade e as relações com a família e menos que seja o melhor para a criança. Mesmo assim, deve poder manter as suas próprias ideias.
ARTIGO 9º - A criança não deve ser separada dos pais, excepto se for para seu próprio bem, como por exemplo, no caso de os pais a maltratarem ou não cuidarem dela. Se decidirem separar-se, a criança deverá ficar a viver com um deles, mas com o direito de contactar facilmente com os dois.
ARTIGO 10º - Se os pais viverem em países diferentes, tem direito a regressar e viver junto deles.
ARTIGO 11º - A criança nunca deve ser raptada mas, se tal acontecer, o governo deve fazer tudo o que for possível para a libertar.
ARTIGO 12º - Quando os adultos tomam qualquer decisão que possa afectar a vida da criança, esta tem o direito a dar a sua opinião e os adultos devem ouvir seriamente o que ela tenha a dizer.
ARTIGO 13º - A criança tem o direito a descobrir coisas e dizer o que pensa através da fala, da escrita, da expressão artística, etc., excepto se, quando o fizer , estiver a interferir com o direito dos outros.
ARTIGO 14º - A criança tem direito à liberdade de pensamento e a praticar a religião que quiser . Os pais devem ajudá-la a compreender o que está certo e o que está errado.
ARTIGO 15º - A criança tem o direito a reunir-se com outras pessoas e a criar grupos e associações, desde que não viole os direitos dos outros.
ARTIGO 16º - A criança tem direito à privacidade. Pode ter coisas como, por exemplo, um diário que mais ninguém tem licença para o ler.
ARTIGO 17º - A criança tem direito a ser informado sobre o que se passa no mundo através da rádio, dos jornais, da televisão, dos livros, etc. Os adultos devem ter a preocupação de que compreenda a informação que recebe .
ARTIGO 18º - Os pais devem educar a criança, procurando fazer o que é melhor para ela.
ARTIGO 19º - Ninguém deve exercer sobre a criança qualquer espécie de maus tratos. Os adultos devem protegê-la contra abusos, violência e negligência. Mesmo os pais não têm o direito de a maltratar.
ARTIGO 20º - Se a criança não tiver pais, ou se não for seguro que viva com eles, tem direito a protecção e ajuda especiais.
ARTIGO 21º - Caso a criança tenha de ser adoptada, os adultos devem procurar ter o máximo de garantias de que tudo é feito da melhor maneira para ela.
ARTIGO 22º - Se a criança fôr refugiada (se tiver de abandonar os pais por razões de segurança), tem direito a protecção e ajuda especiais.
ARTIGO 23º - No caso de deficiência, a criança tem direito a cuidados e educação especiais, que a ajudem a crescer do mesmo modo que as outras crianças.
ARTIGO 24º - A Criança tem direito à saúde. Quer dizer que, se estiver doente, deve ter acesso a cuidados médicos e medicamentos. Os adultos devem fazer tudo para evitar que as crianças adoeçam, dando-lhes uma alimentação conveniente e cuidando bem delas.
...
ARTIGO 27º - Toda a criança tem direito a um nível de vida digno. Os pais devem procurar que não lhe falte comida, roupa, casa, etc. Se os pais não tiverem meios suficientes para estas despesas, o governo deve ajudar.
ARTIGO 28º - Toda a criança tem direito à educação. O ensino básico deve ser gratuito e não deve deixar de ir à escola. Também deve ter possibilidade de frequentar o ensino secundário.
ARTIGO 29º - A educação tem como objectivo desenvolver a personalidade da criança, talentos e aptidões mentais e físicas. A educação deve, também, prepará-la para ser uma pessoa informada, autónoma, responsável, tolerante e respeitadora dos direitos dos outros.
ARTIGO 30º - Se a criança pertencer a uma minoria, temo direito de viver de acordo com a sua cultura, praticar a sua religião e falar a sua própria língua.
ARTIGO 31º - Toda a criança tem o direito a brincar.
ARTIGO 32º - A criança tem direito a protecção contra a exploração económica, ou seja, não deve trabalhar em condições ou locais que ponham em risco a sua saúde ou a sua educação. A lei portuguesa diz que nenhuma criança com menos de 16 anos deve estar empregada.
ARTIGO 33º - A criança tem direito a ser protegida contra o consumo e tráfico de droga.
ARTIGO 34º - A criança tem o direito a ser protegida contra abusos sexuais. Quer dizer que ninguém pode fazer nada contra o seu corpo como, por exemplo, tocar-lhe , fotografá-la contra a tua vontade ou obrigá-la a dizer ou a fazer coisas que não quer.
ARTIGO 35º - Ninguém pode raptar ou vender uma criança.
...
ARTIGO 37º - Uma criança não poderá ser presa, excepto como medida de último recurso e, nesse caso, tem direito a cuidados próprios para a sua idade e visitas regulares da sua família.
ARTIGO 38º - A criança tem direito a protecção em situação de guerra.
ARTIGO 39º - Uma criança vítima de maus tratos ou negligência, numa guerra ou em qualquer outra circunstância, tem direito a protecção e cuidados especiais.
ARTIGO 40º - Se uma criança é acusado de ter cometido algum crime, tem direito a defender-se. No tribunal, a polícia, os advogados e os juizes devem tratá-la com respeito e procurar que ela compreenda o que se está a passar com ela
....
ARTIGO 42º Todos os adultos e crianças devem conhecer esta Convenção. A criança tem direito a compreender os seus direitos e os adultos também.
Assim, pode-se dizer que o Dia Mundial da Criança serve para lembrar um grande problema mundial: o esquecimento dos direitos das crianças, raça, religião ou nacionalidade.

domingo, 25 de maio de 2008

O ESCUTA E O MÊS DE MARIA...

* Um dia, não recordo bem quando, dei comigo a assistir, enternecido, a uma procissão em honra de Nossa Senhora de Fátima, transportada aos ombros por jovens Escuteiros do Agrupamento da localidade onde passava e que, naquele dia, haviam feito a sua Promessa de Escutas.
* Como tinha algum tempo disponível, estacionei o carro, fui ao porta- bagagens e de lá retirei uma pequena mochila, que sempre me acompanhava nas minhas deslocações. Lá de dentro retirei o meu lenço verde e meu "beret", colocando o lenço ao pescoço e levando a boina na mão.
* Assim "equipado", juntei-me à multidão anónima, que seguia a imagem cantando e rezando o terço do rosário. Após uma passagem por algumas artérias da localidade, o andar regressou à Igreja Paroquial, onde foi colocado sobre um altar coberto por uma bonita colcha onde se podia lêr: "NOSSA SENHORA DE FÁTIMA, MÃE DOS ESCUTAS, ROGAI POR NÓS!".
* Posso dizer que me senti comovido com a invocação Mariana, pelo facto de se honrar a Virgem Mãe de duas formas tão significativas: - Ao mesmo tempo que se honrava a Virgem de Fátima, que apareceu a três crianças no distante ano de 1917, levando-a em solene procissão pelas ruas da terra, também se honrava n'Ela a Mãe de Deus como Mãe dos Escutas, pedindo-lhe a protecção divina para os jovens seguidores de Lord Baden-Powell.
* Quando terminou a cerimónia, um jovem "Chefe" veio ao meu encontro e, fazendo a saudação Escutista, convidou-me a ir até à sede do Agrupamento, onde iam realizar-se alguns actos relacionados com aquele dia, como a investidura de Guias, por exemplo, ou a entrega de insígnias de capacidade e diplomas de Promessa.
* Senti-me deveras honrado com o convite e lá fui assistir ao resto das cerimónias do Agrupamento em festa. Senti apenas um ligeiro incómodo quando os jovens Lobitos e Escutas me solicitaram autógrafos, como se eu fosse uma estrela do desporto ou do espectáculo, mas depressa me apercebi que havia sido reconhecido pelos Dirigentes do Agrupamento, que tinham efectuado um retiro em Fátima, onde acabaram por me vêr "trabalhar" na assistência aos peregrinos, tarefa que desempenhava há já vários anos... e que me levou a integrar os Servitas de Fátima.
* Não é de forma alguma um sinal menos o viver o Mês de Maria como um dia importante na vida de cada um denós, como nos enobrece viver o Dia de S. Jorge, o Dia de Beato Nuno, de S. Francisco de Assis ou de São Paulo! Também o Dia do Pensamento nos diz muito, como o diz comemorar qualquer Santo de Deus, personalidade histórica, herói ou sábio, que tenha merecido o padroado dos nossos Agrupamentos, Alcateias, Grupos ou Clãs.
* Com o Mês de Maria, o mês de Maio, a chegar ao seu termo, quiz deixar aqui o meu testemunho de vida relacionado com a devoção que devemos a Nossa Senhora, Mãe e Rainha de todos os Escutas !

sábado, 3 de maio de 2008

NO DIA DAS MÃES... A CONSAGRAÇÃO À MÃE DOS ESCUTAS...


* Nesta data, em que a Santa Igreja dedica o dia a todas as Mães do mundo, não poderiam os Escuteiros deixar de invocar Nossa Senhora, a Santa Mãe dos Escutas, pedindo-Lhe que interceda junto de Seu Filho Jesus, o nosso Bem Amado Chefe Divino, que nos seja sempre propício e nos conduza na Sua Santa Graça, especialmente quando chegada a hora do nosso Fim de Pista, na partida para o Eterno Acampamento.
* Consagremos, neste Dia da Mãe, a nossa vida á Virgem Maria, Mãe de Deus e nossa Mãe:
Santa Maria, Mãe de Deus e Mãe dos Escutas:
Aqui estamos, na confiança de quem se reune sob o Vosso manto, maior do que o espaço infinito, pois envolveu Aquele que os céus e a terra não podem conter.
Aqui estamos, com a certeza que alcança quem fixa os olhos em Vós, que os fixastes sempre em Cristo, Luz do Mundo.
Aqui estamos, com a pas de quem diz convosco a Deus "FAÇA-SE EM MIM SEGUNDO A VOSSA PALAVRA!"
Aqui estamos, Mãe e Senhora das nossas vidas. Porque nos estendeis o amor com que cuidastes do Vosso Filho. Porque nos encaminhais com a atenção amiga de quem não desiste nunca. Aqui estamos, Senhora, para aprendermos convosco.
Como Lobitos, que guiais na selva, atraente e difícil, da vida e do mundo.
Como Exploradores de ontem e de hoje, que precisam duma Estrela segura que os encaminhe por terra e por mar.
Como Pioneiros, que se querem adiantar até onde haja mais vida a descobrir e a partilhar.
Como Caminheiros, que partam como Vós, com a urgência que o serviço dos outros apressa mais.
Como Dirigentes, que aprendem com o Vosso Filho que a felicidade está mais no dar que no receber.
Por tudo isto Vos queremos consagrar a nossa vida: nas vossas mãos ela encontrará Jesus, vida verdadeiramente divina e verdadeiramente humana, oferecida a todos nós.
Porque a consagração é certeza e luz.
Porque a consagração á vida e caminho: convosco, com Cristo, até ao Pai, nascente e foz de toda a vida. Com água viva do Espírito de Deus, que em Vós recriou o mundo, na humanidade nova de Cristo, nosso Senhor!
A Vós nos consagramos, ó Mãe de Cristo e do seu corpo místico, a Santa Igreja, onde somos o Corpo Nacional de Escutas: hoje e sempre o Escutismo Católico Português! Ámen."

quinta-feira, 10 de abril de 2008

MOMENTOS PARA UMA MEMÓRIA...


Efemérides de Lord Baden-Powell - Chefe Mundial do Escutismo
22 Fevereiro de 1857 – Nasce Robert Stephenson Smith Baden-Powell em Londres. Perde o pai aos três anos de idade ficando a sua mãe com sete filhos com idades inferiores a 14 anos. Robert teve uma vida passada ao ar livre com os seus irmãos fazendo vários acampamentos.
1870 – Baden-Powell (B.P.) entra para a escola de Cartuxa, em Londres. Tomava sempre a iniciativa em actividades no recreio, cativando os amigos para se divertirem.
1876 – B.P. termina os seus estudos em Cartuxa e parte para a Índia como alferes de um regimento. Além de prestar excelentes serviços militares – era capitão aos 26 anos – alcançou os prémios de desporto mais ambicionados em toda a Índia, o da caça ao javali.
1883 – Com 26 anos, B.P. era Capitão e Ajudante do Regimento.
1887 – B.P. toma parte nas campanhas contra os Zulus e mais tarde contra as tribos dos guerreiros Achantis e dos selvagens Matabeles. O seu nome era “ Impisa, o lobo que não dorme”, por causa da sua espantosa perícia em seguir pistas.
1889– B.P. já coronel organizou dois batalhões de carabineiros e dirigiu a guerra em Mafeking, África. Em 1901 regressa a Inglaterra como herói descobrindo que o seu livro “ Aids to Scouting”, destinado ao exército estava a ser utilizado em escolas masculinas.
1907 – 1º Acampamento Escutista de todos os tempos organizado por Baden-Powell.
1908 – B.P. publica em fascículos quinzenais o seu manual de instrução “ Escutismo para Rapazes “, desencadeando um movimento mundial que nem ele próprio esperaria. Surgiram de imediato patrulhas e grupos escutistas não só em Inglaterra mas também noutros países.
1910 – B.P. compreende finalmente que o escutismo ia ser a obra da sua vida.
Em 1912 empreendeu uma viagem à volta do mundo, promovendo um encontro mundial de escuteiros. Foi dado o primeiro passo da Fraternidade Mundial Escutista.
1920 – 1ª Reunião Internacional Escutista – 1º Jamboree Mundial. Na última noite do acampamento B.P. foi designado como Escuteiro Chefe Mundial pela multidão de rapazes que o aclamavam.
1937 – Aos 80 anos de idade, quando as forças lhe começaram a faltar, voltou para a sua terra na companhia da sua esposa, Lady Baden-Powell, que era chefe das Guias – obra também criada por B.P. . Instalaram-se no Quénia.
A 8 de Janeiro de 1941 – Lord Baden-Powell morre no Quénia. Estava na companhia da sua esposa, Lady Olave Soames Baden-Powell.